quinta-feira, 15 de junho de 2017

Céline, Viagem ao Fim da Noite, 1932

(...)Ela(...)"Estava decidida a semear-me em plena noite, o mais depressa possível. Era natural. "Á custa de ser empurrado assim pela noite dentro, acabarei por ir dar a qualquer lado," dizia para comigo. Era a consolação. "Coragem, Ferdinand", repetia a mim próprio, para me amparar, "à custa de seres posto no olho da rua em todo o lado, certamente acabarás por descobrir o truque que mete medo a todos, a todos, por mais sacanas que sejam, e que só no fim da noite deve existir. Por isso eles não vão lá, ao fim da noite!"